Olá!

Este é o 1º artigo de uma série de 4 que desenvolvemos especialmente para quem deseja tornar-se um especialista em telefonia empresarial.

Seja bem-vindo e ótima série!

Este é um tema dos mais elementares em telecomunicações, porém, percebemos em nosso dia a dia que há muitos conflitos e divergências nas informações a seu respeito.

Como decidir qual a melhor solução de telefonia para a empresa quando desconhecemos conceitos básicos como este?

Portanto, a principal função do PABX é o compartilhamento das linhas telefônicas fixas sejam de natureza física ou empresariais. Mesmo que existam residências com PABX nosso foco aqui será no segundo tipo de linha, as empresariais.

Sem o PABX teríamos que contratar linhas telefônicas proporcionalmente a quantidade de colaboradores (funcionários).

Sem o PABX, uma empresa com 5 colaboradores precisaria contratar 5 linhas. Outra empresa sem o PABX com 45 colaboradores precisaria contratar 45 linhas e assim sucessivamente.

Com a popularização do PABX as empresas puderam compartilhar as linhas criando sua própria relação linhas X colaboradores.

Por exemplo, uma empresa que possui 5 colaboradores entende que a quantidade máxima de ligações simultâneas (ligações de entrada + ligações de saída) é de apenas 2, fatalmente sua necessidade de contratação de linhas cairia para apenas 2 ao invés de 5 conforme o 1º exemplo acima. Compartilhando desta forma apenas 2 linhas com todos os colaboradores.

Da mesma forma que uma empresa que possui 45 colaboradores entende que a quantidade máxima de ligações simultâneas (ligações de entrada + ligações de saída) é de 30, fatalmente sua necessidade de contratação de linhas cairia para apenas 30 ao invés de 45 conforme o 2º exemplo acima. Compartilhando desta forma apenas 30 linhas com todos os colaboradores.

Com o passar do tempo o PABX recebeu atualizações e começou a fazer mais do que apenas compartilhamento de linhas, começou então a: Identificar os números chamadores, fazer siga-me interno e externo, pêndulo, conferência de voz com limite de usuários ainda reduzido, transferência de chamadas, criação de grupos atendedores e uma série de funções básicas que passaram com o tempo a serem nativas ao sistema.

Na sequência o PABX modernizou-se transformando-se em alguns momentos em verdadeiras máquinas de atendimento e de vendas.

Contudo este segundo grupo de funcionalidades não se popularizou entre as empresas de pequeno e médio portes porque eram vendidas por seus fabricantes separadamente ao PABX tornando-as muitas vezes, projetos inviáveis do ponto de vista financeiro.

São exemplos de algumas funções não popularizadas pelo PABX: gravação de chamadas, URA, tarifação, discagem preditiva, funções de Call Center, DAC e entre outras.

Um pequeno spoiler se me permitirem, tais funcionalidades do 1º e 2º grupos são nativas na telefonia em nuvem, ou seja, você contrata o sistema de telefonia em nuvem e não paga nada a mais por todas estas funcionalidades descritas e muitas outras que descreveremos na sequência desta série.

Ficaremos satisfeitos se os leitores entenderem os principais fundamentos de um PABX para que no futuro possam interpretar e decidir o que será melhor para o seu negócio.

Não se esqueça que ainda temos 3 links na sequência. Clique agora neste link e seja redirecionado para o 2º artigo da série: Conheça as diferenças entre as linhas Analógicas, Digitais, Voip e SIP.

Ou se preferir fale com um de nossos especialistas!

E se você ainda não faz parte da lista de distribuição da nossa newsletter clique aqui, cadastre-se e coloque no assunto: “Que receber a newsletter semanalmente”.

Toda semana publicaremos uma matéria voltada para quem precisa definir o futuro de sua telefonia ou para quem precisa gerenciá-la. Fique por dentro das maiores novidades do mundo da telefonia empresarial!

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe um
comentário:

Deixe uma resposta